Atividade: O medo em processos de mudança

17 de março de 2020

Essa atividade é um complemento do texto “o medo em processos de mudança” que nos traz a importância sobre entender e ensinar sobre medos para as pessoas que estão passando por processos de mudança organizacional.

Em nosso curso EAD – Gestão de Mudanças: Introdução e Prática, nós passamos diversas ferramentas que ensinam as pessoas a endereçar os seus medos. Aqui, eu vou ensinar uma técnica que usamos muito e que traz resultados muito eficazes para as organizações. Essa atividade foi criada por mim, trazendo uma maneira lúdica (porém, não infantil) uma forma para falar sobre os medos, de maneira projetiva.

Trata-se de um jogo, com diversas imagens que representam o que as pessoas sentem – positivamente e negativamente – em processos de mudanças. Essa atividade é composta por um kit de várias fotos em que você deve imprimi-las e espalha-las pelas mesas das pessoas no seu workshop ou treinamento (independente do cargo que elas tenham), pedindo para que as pessoas escolham uma foto que represente algo bom e outra que represente algo ruim que sentiram em outros processos de mudança organizacionais.

Dê tempo para eles pensarem, ligue uma música para que seja uma escolha descontraída.

Quando finalizarem, peça para que, pessoa por pessoa, explique essas fotos. Essa parte é muito importante, pois esse é o momento ideal para que você comece dar uma vasão para que as pessoas falem dos medos sem ter que falar a palavra medo, ou seja, trata-se de uma maneira abstrata delas escolherem, através das fotos, o que sentiram.

Como a maioria de nós não teve uma educação emocional eficaz é muito difícil falar sobre emoções, pois, muitas vezes, não sabemos identificar exatamente o que estamos sentindo. Então, temos mais facilidade de representar os nossos sentimentos através de imagens.

Esse jogo ajuda você a criar esse processo de confiança e abertura, em um lugar seguro, para as pessoas que estão participando da mudança, através das imagens.

Você pode trazer imagem com frases ou criar frases que representem as imagens e pedir para as pessoas escolherem dentro dos medos que você já sabe que a sua organização possui. Entretanto, não se esqueça de colocar coisas positivas para não dar a sensação de peso no começo do seu workshop, pois não é isso que você quer. Você quer fazer as pessoas falarem da realidade, mas ajudando-as a não ficar na parte de depressão, da curva da mudança.

Abaixo trago alguns exemplos de imagens que uso nos meus treinamentos:

Na foto abaixo, aparece uma pessoa perguntando à outra sobre o que ela está fazendo e a sensação que a foto transmite é de que a moça está sendo punida. Essa situação é muito comum em processos de mudança, pois aciona a incompetência temporária.

atividade

Na próxima foto, trata-se de uma charge com a conversa de dois passarinhos (um com paraquedas e outro sem). Em processos de mudanças, muitos se sentem sem apoio, sem suporte e que a organização está mandando-os “pular sem paraquedas”.

atividade

Um exemplo positivo da mudança é a imagem abaixo que representa uma pessoa relaxando e conseguindo se conectar.

atividade

Pode acontecer das pessoas escolherem a mesma imagem e, neste caso, pergunte para elas se o sentimento é igual. Você vai perceber que, muitas vezes, as pessoas irão dar representações diferentes para a mesma imagem e, com isso, você já pode lidar com a questão de que nós temos percepções diferentes sobre o cenário – isso tem muito a ver com quem a gente é, com nossos valores, com nosso histórico e, se você sentir que chegou a um ambiente seguro, você pode falar que isso tem a ver com os nossos medos.

Explique para as pessoas porque você utilizou as imagens e normalize a sensação ruim que elas trouxeram. Por quê?

Porque as pessoas, no ambiente organizacional se sentem vulneráveis e expostas quando estão falando sobre algo ruim relacionado a elas. Para contornar essa sensação, você precisa trazer um senso de normalidade.

Feche a atividade com uma explicação de que essa sensação é normal e é esperada para todos os seres humanos.

Franciele Maftum
#éhorademudaromundo

Vídeo Base: Como quebrar os medos – 2020